fbpx
Início / Destaque / Pavimentação da LMG-760 será retomada após quatro anos paralisada
Pavimentação da LMG-760 será retomada após quatro anos paralisada

Pavimentação da LMG-760 será retomada após quatro anos paralisada

O governador Fernando Pimentel irá ao Vale do Aço no próximo dia 26 de julho para a assinar a ordem de serviço da obra de pavimentação da LMG-760, que liga Cava Grande, distrito do município de Marliéria, à BR-262, em São José do Goiabal. A informação é da deputada estadual Rosângela Reis, que havia adiantado, no início do mês passado, a retomada da obra neste mês de julho, após reunião com o secretário de Estado de Obras, Murilo Valadares.

A obra ficou paralisada por quase quatro anos, a pedido do Ministério Público do Estado em 2013. O motivo da interrupção alegado pelo MP foi a falta de licenciamentos ambientais necessários na área do Parque Estadual do Rio Doce.

A obra está orçada em R$ 134 milhões e a mesma empresa que venceu a licitação feita em 2013, a Tamasa Engenharia S.A., executará a obra de aproximadamente 64 quilômetros de extensão. A pavimentação da LMG-760 vai reduzir o tempo das viagens, garantir mais segurança na estrada, facilitar o escoamento da produção agrícola e industrial da região, promover o turismo no Parque Estadual do Rio Doce, ajudará a desafogar a BR-381, melhorar a qualidade de vida das pessoas que ali trabalham e residem.

Em 27 de junho a Câmara de Infraestrutura de Transporte, Saneamento e Urbanização (CIF) do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Copam) emitiu parecer de licenciamento ambiental favorável, após debatidos os impactos no Parque do Rio Doce e as compensações ambientais necessárias, com aprovação unânime para a execução da obra.

Segundo Rosângela Reis, desde 2013 foram realizadas incontáveis reuniões, audiências públicas e solicitações para a retomada da pavimentação. “Lutamos muito para que essa obra fosse iniciada, pois ela é muito aguardada pela população e vai facilitar a vida de quem se desloca por ela, além de promover o desenvolvimento econômico e social de toda a região”, afirmou Rosângela Reis.

Ir para o topo